Papo Torto
Pular

Critica – Star Trek : Sem Fronteiras

Publicado:   setembro 1, 2016   Categoria:Criticas , Filmes e séries , OpiniãoEscrito por:Italo Goulart

Quando J.J. Abrams se propôs a dar uma repaginada em Star Trek, todos os fãs e os não fãs logo torceram o nariz. Isso aconteceu também quando ele decidiu pegar Star Wars. E assim em um como no outro, a surpresa foi muito grande pelo serviço muito bem-feito e uma obra digna para todos os públicos. No primeiro filme Abrams teve a missão de (re)apresentar os personagens e mostrar o lance deles com a Enterprise e a Frota Estelar, já no segundo filme o foco foi em estreitar os laços entre os personagens principais e nesse terceiro que ficou a cargo de Justin Lin(Velozes e Furiosos) a ideia é por tudo isso à prova.

STB_FF_001R4

Perdidos em um planeta desconhecido, o Capitão Kirk (Chris Pine) e a sua equipe estão sob ameaça de Krall (Idris Elba), um inimigo misterioso que colocará à prova tudo o que a Federação representa. Eles precisam encontrar uma forma de driblar o vilão, contando apenas com a união da equipe e com Jaylah (Sofia Boutella), única aliada que encontram pelo caminho.

Sabe-se que essas ideias de remake/reboot historicamente não deram muito certo e arriscar com uma obra tão cheia de fãs e tão amada assim seria um risco muito grande. Mesmo sabendo disso J.J. Abrams foi lá e fez dois excelentes filmes que foram sucessos de críticas e de público, e Star Trek: Sem Fronteiras é certo que seguiu o mesmo caminho, usando das mesmas fórmulas e indo mais além.

A TRAMA

No longa, estamos no terceiro ano de uma viagem que vai durar cinco, viagem que foi citada ao final do segundo filme. Toda a tripulação e principalmente o inquieto Capitão Kirk (Chris Pine), estão afundados no tédio com a rotina se repetindo dia após dia. Até que eles recebem um pedido de ajuda e uma missão de resgate num planeta desconhecido, coisa que vai tirar toda a calmaria da viagem e testar a força e fidelidade de todos da tripulação da Enterprise.

Durante essa “missão” de resgate, temos uma cena de ação estonteante e uma batalha épica onde a Enterprise é simplesmente destruída, são minutos de tirar o fôlego com a grandiosidade de tudo que está acontecendo.

Left to right: John Cho plays Sulu, Anton Yelchin plays Chekov, Karl Urban plays Bones, Chris Pine plays Kirk, Zachary Quinto plays Spock and Simon Pegg plays Scotty in Star Trek Beyond from Paramount Pictures, Skydance, Bad Robot, Sneaky Shark and Perfect Storm Entertainment
Left to right: John Cho plays Sulu, Anton Yelchin plays Chekov, Karl Urban plays Bones, Chris Pine plays Kirk, Zachary Quinto plays Spock and Simon Pegg plays Scotty in Star Trek Beyond from Paramount Pictures, Skydance, Bad Robot, Sneaky Shark and Perfect Storm Entertainment

Após a nave ser destruída e a tripulação ser separada, duplas são formadas, o introspectivo Kirk fica ao lado do otimista Chekov (Anton Yelchin, morto em 19 de junho de 2017), o pragmático e insensível Spock (Zachary Quinto) fica ao lado do irritadiço Bones (karl Urban), além de outras duplas que foram formadas temos a última onde o foco é maior, formada por Scotty(Simon Pegg) e Jaylah (Sofia Boutella), uma alienígena que foi esquecida em Altamid, o planeta “desconhecido”. Com duplas muito distintas em personalidade, o filme consegue ter alívios cômicos certeiros, a ponto de ficarmos rindo boa parte do filme, quando não estamos sendo esmagados pelas cenas belíssimas de ação contínua.

Left to right: Sofia Boutella plays Jaylah and Simon Pegg plays Scotty in Star Trek Beyond from Paramount Pictures, Skydance, Bad Robot, Sneaky Shark and Perfect Storm Entertainment
Left to right: Sofia Boutella plays Jaylah and Simon Pegg plays Scotty in Star Trek Beyond from Paramount Pictures, Skydance, Bad Robot, Sneaky Shark and Perfect Storm Entertainment

O filme tem uma boa trama, bons personagens e claro que não podia faltar um bom vilão e é aí onde entra Krall (Idris Elba), que mais tarde sabemos que é o responsável pela destruição da nave. Krall é um alien que tem um ódio mortal pela Frota Estelar, mas apesar de clichê, tem uma motivação bem forte para todas as atitudes tomadas durante o filme, o caminho dele se encontra com o do capitão Kirk, quando ele descobre que na Enterprise tem um objeto que ele muito almeja.

O DIRETOR

Justin Lin, assim como Abrams começou dirigindo para a TV e antes de ser convidado para dirigir Sem Fronteiras, Lin tinha de relevante no currículo apenas alguns filmes da franquia Velozes e Furiosos, foi uma escolha bem arriscada da Paramont para substituir Abrams nessa trilogia que estava indo de bem a melhor.
Lin não só conseguiu continuar o excelente trabalho começado pelo seu predecessor, como foi mais além, arriscou mais e conseguiu fazer o filme mais divertido e ambicioso da nova franquia até agora.

Left to right: Chris Pine and Director Justin Lin on the set of Star Trek Beyond from Paramount Pictures, Skydance, Bad Robot, Sneaky Shark and Perfect Storm Entertainment
Left to right: Chris Pine and Director Justin Lin on the set of Star Trek Beyond from Paramount Pictures, Skydance, Bad Robot, Sneaky Shark and Perfect Storm Entertainment

OS ROTEIRISTAS

O roteiro é assinado por Doug Jung (Dark Blue: No limite da lei) e Simon Pegg (o Scotty desse filme). Talvez pelo fato de Pegg ser o coautor do roteiro, podemos entender o por que dos personagens coadjuvantes terem um pouco mais de visibilidade em relação aos filmes anteriores. Além de ator e roteirista, Pegg também é comediante, o que também pode ser o motivo de ser mais engraçado e o “timming” das cenas cômicas serem tão bem usados.

DIVERSIDADE

Uma das coisas mais que surpreendeu nesse novo filme, foi a infinidade de espécies que foi apresentada, muitas raças alienígenas foram incorporadas a esse universo de Star Trek, muito bem desenvolvidas, é um show visual. Fora isso, também tem a diversidade sexual.

Left to right: Zoe Saldana plays Uhura and John Cho plays Sulu in Star Trek Beyond from Paramount Pictures, Skydance, Bad Robot, Sneaky Shark and Perfect Storm Entertainment
Left to right: Zoe Saldana plays Uhura and John Cho plays Sulu in Star Trek Beyond from Paramount Pictures, Skydance, Bad Robot, Sneaky Shark and Perfect Storm Entertainment

Sulu (John Cho) de forma bem discreta, sem alardes e muito bem-posta no filme, mostra que é homossexual. Será isso uma espécie também de fan-service? Pois o personagem Sulu na série clássica era interpretada por George Takei que revelou sua homossexualidade em 2005, seria uma excelente homenagem. Falando em homenagem, o filme é uma homenagem á Leonard Nimoy, morto em fevereiro de 2015, fato que foi incorporado de forma belíssima dentro do filme. Nimoy era o Sr. Spock na série clássica. 

TRILHA SONORA

O responsável pela trilha sonora do filme é Michael Giacchino ganhador do Oscar de Melhor Trilha Sonora por Up: Altas Aventuras e foi nomeado na mesma categoria em 2008 pela trilha sonora de Ratatouille.

Giacchino faz um excelente trabalho no longa, com músicas perfeitas para cada momento, dando o clima necessário para usufruirmos da melhor maneira possível cada cena.

Left to right: Chris Pine plays Kirk and Idris Elba plays Crowl in Star Trek Beyond from Paramount Pictures, Skydance, Bad Robot, Sneaky Shark and Perfect Storm Entertainment
Left to right: Chris Pine plays Kirk and Idris Elba plays Crowl in Star Trek Beyond from Paramount Pictures, Skydance, Bad Robot, Sneaky Shark and Perfect Storm Entertainment

TRAGEDIA: MORTE DE ANTON YELCHIN

Em julho desse ano, Anton Yelchin foi vítima de um acidente no mínimo estranho e confuso. Ele foi encontrado por amigos em sua casa, prensado entre seu carro e a caixa de correio. Morreu aos 27 anos de idade.

O filme de certa forma também serviu como uma homenagem a ele, já que por estar ao lado do personagem principal, ele teve um grande destaque como personagem e pudemos ver mais de sua capacidade artística.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fugindo completamente da “maldição” do terceiro filme, Star Trek:Sem Fronteiras fecha a trinca com chave de ouro.

Star Trek: Sem Fronteiras estreia dia 01 de setembro, e é uma pedida certa de diversão e garantia de boas risadas e muita adrenalina.

Direção: Justin Lin

Roteiro: Simon Pegg e Doug Jung

Elenco: John Cho (Sulu), Simon Pegg (Scotty), Chris Pine (Kirk), Zachary Quinto (Spock), Zoe Saldana (Uhura), Karl Urban (Leonard McCoy), Anton Yelchin (Chekov), Sofia Boutella (Jaylah) e Idris Elba (Krall)

DURAÇÃO: 122 min

ESTREIA NO BRASIL: 1º DE SETEMBRO, DE 2016

Visualizacões:   112   Comentários:   1   Curtidas: 0

1 Comentário

1 de fevereiro de 2018
[…] E CABELO “Um Homem Chamado Ove” “Star Trek: Sem Fronteiras” “Esquadrão […]
Comentar (pelo Facebook)

Deixe uma resposta

A password will be emailed to you.